Celebração Penitencial para os homens

quarta-feira, 16 de abril de 2014

 Na noite desta terça-feira (15/04), aconteceu a celebração penitencial para os homens na Paróquia Menino Jesus de Praga.

 A celebração foi conduzida por Padre Marcondes e pelo Diácono Roberto

 Queima dos galhos secos

 Momento de oração

Clique na imagem acima e confira as fotos da celebração

Celebração Penitencial para as Mulheres

terça-feira, 15 de abril de 2014

  Na noite desta segunda-feira(14/04), na Paróquia Menino Jesus de Praga, aconteceu a celebração penitencial para as mulheres.
 

Foi uma noite de muita introspecção, reflexão e unção

 
As mulheres puderam confessar e receber a absolvição dos seus pecados. Seus galhos secos foram queimados em sinal de purificação e renovação.

 http://armaduradcristao.blogspot.com.br/2014/04/celebracao-penitencial-para-as-mulheres.html
Clique na imagem acima e confira todas as fotos destas celebração. 

Agradecemos à Renata Barbosa, colaboradora do Armadura do Cristão, que fez as fotos desta noite

Domingo de Ramos na Paróquia Menino Jesus de Praga

segunda-feira, 14 de abril de 2014

Neste domingo(13/04) a Paróquia Menino Jesus de Praga iniciou a semana santa com muita unção nas celebrações e na procissão do Domingo de Ramos.




http://armaduradcristao.blogspot.com.br/2014/04/domingo-de-ramos-manha.html
Clique na imagem acima e confira as fotos da Celebração da manhã




 http://armaduradcristao.blogspot.com.br/2014/04/procissao-domingo-de-ramos.html
Clique na imagem acima e veja as fotos da Procissão de Ramos

 
http://armaduradcristao.blogspot.com.br/2014/04/domingo-de-ramos-celebracao-da-tarde.html
Clique na imagem acima e confira as fotos da Celebração da Tarde

Via Sacra das Crianças na Paróquia Menino Jesus de Praga

sábado, 12 de abril de 2014

Neste último sábado (12/04) foi vivida a Via Sacra do ECRI - Encontro de Crianças com Cristo da Paróquia.


As crianças também puderam viver os últimos momentos de Nosso Senhor Jesus Cristo.


A Via Sacra aconteceu na área externa da Paróquia e contou com a participação as crianças do Ecri, dos Casais do ECC e de adolescentes do EAC.


http://armaduradcristao.blogspot.com.br/2014/04/via-sacra-das-criancas-na-paroquia.html
Para ver todas as fotos clique na imagem acima




Nossos agradecimentos especiais à Tony Herbert que foi o nosso colaborador nesta tarde de sábado

Via Sacra 2014 - Paróquia Menino Jesus de Praga

 
 Na noite desta última sexta-feira(11/02), o Armadura do Cristão fez o registro da via sacra da Paróquia Menino Jesus de Praga.
 

Os momentos da paixão e morte de Jesus Cristos foram vividos por todos os movimentos e segmentos da Paróquia e pelos fiéis, sob a direção espiritual do Padre Marcondes e do Diácono Roberto.

   EJC encenando as estações

fiéis em momento de oração

http://armaduradcristao.blogspot.com.br/2014/04/via-sacra-2014-paroquia-menino-jesus-de.html 
Clique na imagem acima e confira todas as fotos registradas pelo Armadura do Cristão 

 PARA VER OS VÍDEOS CLIQUE AQUI

Programação da Semana Santa 2014

sexta-feira, 11 de abril de 2014

Paróquia Menino Jesus de Praga


As obras de Deus causam mudanças em nossa vida!


As obras de Deus, no meio de nós, causam conversão, cura, libertação, restauração, reflexão e mudança de vida!

”Os judeus pegaram pedras para apedrejar Jesus. E ele lhes disse: ‘Por ordem do Pai, mostrei-vos muitas obras boas. Por qual delas me quereis apedrejar?”’ (João 10, 31-32).


À medida que vamos nos aproximando da Paixão de Nosso Senhor Jesus Cristo, nós vamos entendendo as motivações que os homens têm em seu coração para entregar, condenar e matar Nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo.

Sabem, meus irmãos, nós, muitas vezes, gostamos de nos livrar daquilo que nos incomoda. Claro que coisas que não valem nada, que não têm valor, nós precisamos realmente nos livrar delas. Mas, muitas vezes, queremos nos livrar daquilo que, para nós, é reflexão,  é pensamento, é mudança. E foi isso que fez um grupo de judeus, muitos deles quiseram se livrar de Jesus; a obstinação que eles tinham, em seu coração, crescia dia após dia. O grupo já estava tão revoltado, com tanto ódio do Senhor, que alguns até pegaram pedras para poder apedrejar o Senhor.

Eles já não aguentavam mais, pois o Senhor já os incomodava demais; a presença d’Ele lhes causava irritação e indignação. Jesus, no Seu modo sereno, calmo e muito objetivo, pergunta: “E ele lhes disse: ‘Por ordem do Pai, mostrei-vos muitas obras boas. Por qual delas me quereis apedrejar?”’ (João 10, 31-32).

Nós que conhecemos as obras de Jesus, porque elas se manifestam no meio de nós, podemos ter uma certeza: as obras de Deus, em nosso meio, causam conversão, cura, libertação, restauração, reflexão e mudança de vida. Contudo, para aqueles que não acolhem a mensagem de Jesus nem a obra do Senhor, estas podem significar revolta, ira, indignação, indiferença, frieza, e, sobretudo, rejeição para alguns.

O que a obra de Deus está realizando no seu coração? A presença de Deus, no meio de nós, a ação de Jesus no meio de nós, o que ela provoca no meu e no seu coração?

Algumas vezes, nós ficamos revoltados e indignados contra Deus e contra a obra d’Ele; no entanto, aqueles que a acolhem interiormente – e se permitem ser perscrutados pelo Espírito do Senhor – as obras de Deus causam mudança de vida, tendo em vista que Jesus veio para nos incomodar. Que as palavras do Senhor incomodem a nossa vida, para que dia a dia possamos nos converter mais para o Reino de Deus!

Deus abençoe você!

Fonte: Canção Nova

As palavras do Senhor são de vida eterna!

quinta-feira, 10 de abril de 2014

O Senhor, um dia, se manifestou em nossa vida e, dia a dia, Ele vem nos apresentando e nos presenteando com a Sua Palavra; e as palavras do Senhor são de vida eterna!

”Em verdade, em verdade vos digo: se alguém guardar a minha palavra, jamais verá a morte” (João 8, 51).

Todos nós precisamos de vida. Temos a graça de viver, mas, muitas vezes, não é o fato de estarmos vivos, respirando, andando e caminhando que significa que temos a vida em nós. Quantas vidas opacas, sem gosto, sem sabor, sem sentido, sem direção! Quantas vidas sem luz interior há! Então não basta saber que estamos respirando! Algumas vezes, existem pessas que não estão caminhando, estão prostradas, doentes, acometidas por alguma enfermidade, mas estão vivas, estão em plena vivacidade e exprimem alegria interior, mesmo diante de um vale de lágrimas que as rodeia, porque encontraram o sentido da vida.

E qual é o sentido da vida? É guardar a Palavra de Jesus! Nós conhecemos, um dia, Jesus e Ele se manifestou em nossa vida e, dia a dia, Ele vem nos apresentando e nos presenteando com a Sua Palavra; e as palavras do Senhor são de vida eterna!

Não entenda ”palavras de vida eterna” com ganharmos um ”selinho” para, quando morrermos, irmos para o céu. Glória a Deus por isso [irmos para o céu]! Pois a palavra de vida eterna é trazer a eternidade para a nossa vida, é dar um sentido pleno à vida que nós estamos vivendo, de forma a não permitir que –, onde quer que nós estejamos, passando por aflições, dificuldades e provações devido a coisas que não deram certo – nossa vida seja transformada em um inferno e perdermos a alegria de viver. Jesus traz vida para a nossa vida, mesmo que estejamos passando por grandes aflições, sofrimentos e angústias.

Que possamos refletir sobre a nossa vida! Ela está sendo guiada, orientada, iluminada e conduzida pela Palavra de vida de Jesus ou estamos simplesmente caminhando nessa vida?
Senhor, só Tu tens palavras de vida eterna! Que as Tuas palavras conduzam e iluminem meus passos, e tragam luz ao meu coração, tragam vida interior a mim e deem sentido ao meu viver. Que as palavras de Jesus, hoje, ressuscitem quem estiver morto e paralisado! Que as palavras de Jesus, hoje, tragam vida e um sentido novo para o nosso viver!

Deus abençoe você!

Jesus veio para nos libertar da escravidão do pecado

quarta-feira, 9 de abril de 2014


Não se condene, mas não se mantenha escravo de nada neste mundo, pois Jesus veio para nos libertar e nos fazer livres. E hoje a Palavra de Deus quer nos libertar de toda escravidão do pecado!

“Em verdade, em verdade vos digo, todo aquele que comete pecado é escravo do pecado. O escravo não permanece para sempre numa família, mas o filho permanece nela para sempre” (João 8, 34-35).



A Palavra de Deus, hoje, nos permite refletir sobre aquilo que o pecado provoca em nós e aquilo que a graça de Deus pode fazer em nós e em nossa vida. Primeiramente, é óbvio que o pecado nos mantém cativos e escravos dele. Olhando a história, ou, melhor ainda: esse embate que há entre Jesus e os judeus que se opõem a Ele há um terrível pecado ali: o pecado de não querer reconhecer Jesus como Senhor.

Sabem quando alguém coloca alguma coisa na cabeça e não quer mudar e não quer aceitar? Não aceita ser corrigido, não aceita nem refletir sobre o assunto? E a pior das durezas é a incapacidade de refletirmos e de mudarmos nossas atitudes! É dela que brota o autoritarismo e deste vem todas as outras formas de ignorância humana, que nos mantém cativos, presos e escravos das nossas atitudes. O orgulho e a soberba são venenos terríveis para a nossa vida espiritual, para a nossa vida com Deus.

Na passagem bíblica de hoje Jesus mostra aos judeus onde está o pecado neles, sobretudo, o pecado de não saber reconhecê-lo. E você sabe que eles começam então a se contradizer, eles começam então a rebater o que o Senhor lhes diz, porque eles não aceitam, de forma nenhuma, a verdade que Jesus nos traz!

Não há problema em assumir as nossas fraquezas e as nossas misérias. O problema é quando o pecado nos corrói, nos corrompe e nos mantém cativos dele e quando ele cega a nossa visão e a nossa maneira de ver e nos quer convencer de que o errado está certo. Quando quer nos mostrar que não há problema e não há erro em muitas coisas incorretas e injustas que fazemos; e quando nos deixa conformados às injustiças, à mentira, a uma vida hipócrita, como se não tivesse problema em viver assim.

O problema do pecado é nos acomodarmos a ele e nos tornarmos cativos, reféns e escravos daquilo que ele é. Deus hoje não quer apontar nenhuma condenação a você, mas a Palavra d’Ele hoje quer nos iluminar para discernirmos: que pecado e que situação pecaminosa nos mantêm cativos? Pode ser que sejam coisas que estejam em nosso interior, que só nós mesmos fazemos e sabemos que é errado. Não se condene, mas não se mantenha escravo de nada neste mundo, pois Jesus veio para nos libertar e nos fazer livres. E hoje a Palavra de Deus quer nos libertar de toda escravidão do pecado!

Que Deus abençoe você!


Fonte: Canção Nova

A murmuração nos afasta dos caminhos de Deus!

terça-feira, 8 de abril de 2014

A vida em Deus vai morrendo dentro de nós quando nos deixamos enveredar pelo veneno maldito da murmuração!

”Por que nos fizestes sair do Egito para morrermos no deserto? Não há pão, falta água, e já estamos com nojo desse alimento miserável” (Números 21, 5).

Nós, hoje, estamos refletindo, na liturgia, sobre a riqueza maravilhosa da primeira leitura da Santa Missa de hoje, a qual fala sobre o povo de Deus que caminha no deserto, rumo à Terra Prometida. E no meio da caminhada, eles caem na terrível tentação de se revoltarem contra Deus. Primeiro, são movidos por uma impaciência e, quando essa impaciência toma conta do coração deles, eles começam a murmurar contra Deus e contra Moisés; e, na murmuração, saem muitas palavras duras e pesadas de suas bocas. Reclamam e amaldiçoam o pão que estão comendo, sentem nojo do próprio alimento e começam a falar mal de tudo.

Deixe-me dizer-lhe uma coisa: A murmuração daquele povo, a indignação daquele povo, a revolta daquele povo, a forma tão ingrata com que se voltam contra Deus e contra Moisés lhes  atrai o veneno da serpente. E você sabe o que a serpente venenosa faz: onde ela pica a morte entra e, muita gente em Israel morreu porque se voltou contra Deus pela murmuração, pela reclamação, pela indignação e pela revolta.

A vida em Deus vai morrendo dentro de nós quando nos deixamos enveredar por esse veneno maldito que se chama ”murmurar”. É verdade que onde nós estamos existem sempre pessoas que nunca estão satisfeitas com nada, estão sempre azedas e azedando os outros também; colocando uns contra os outros, criando rebeldias em nossas comunidades. E o pior é colocar o veneno para que as pessoas se rebelem contra Deus e contra a Igreja!
Quantas pessoas, meu Deus, não saem mais de suas casas, não vão mais para a igreja, não caminham mais no deserto da vida rumo à “Terra Prometida”, que é o céu, porque pararam no meio do deserto, foram contaminadas por esse veneno terrível da murmuração; porque escutaram outras pessoas da Igreja falando mal de outras, fazendo fofocas e todas aquelas coisas malditas que existem no meio de nós, fruto da nossa revolta.

Deixe-me dizer a você: Moisés levantou a serpente e todo aquele que olhava para ela ficou curado. Jesus foi levado à cruz para curar a mim e a você de todo o espírito de rebeldia, que há dentro de nós.

Deus nos quer ver curados; Ele não nos quer ver azedos, Ele não nos quer ver murmurando. Ele nos quer sadios e curados! Quando conseguimos tirar esse azedume de dentro de nós e conseguimos olhar a vida, as pessoas e, sobretudo, Deus, não pelo olhar negativo, mas pelo olhar vivo da fé, a vida nova brota dentro de nós!

Deus abençoe você!

Fonte: Canção Nova

A misericórdia de Deus é maior do que qualquer pecado!

segunda-feira, 7 de abril de 2014


A graça do perdão de Deus, a graça da misericórdia de Deus, perdoa qualquer pecado por mais duro e por maior que ele seja!
 ”Quem dentre vós não tiver pecado, seja o primeiro a atirar-lhe uma pedra” (João 8,7). 

Que cena maravilhosa é essa da passagem bíblica! No primeiro momento ela parece ser dura para nós: uma mulher pega em adultério é apresentada diante de Jesus. Primeiro, vemos a má intenção que tiveram aqueles que a levaram; pois o que eles queriam, na verdade, não era condenar a mulher, mas colocar Jesus em apuros. A lei mandava apedrejar quem fosse pego em flagrante adultério.
No entanto, Jesus, o Senhor da vida, prega o perdão, prega a misericórdia. E agora? Ele vai se opor à lei dos judeus, se opor à lei de Moisés? 
Jesus simplesmente se abaixa e começa a escrever algo no chão; alguns padres da Igreja dizem que Ele estaria escrevendo os pecados cotidianos que os homens cometem. Mas, o mais importante é o silêncio que o Senhor provoca, é o silêncio que tem que ser provocado dentro de nós, para que possamos refletir um pouco mais sobre a nossa vida antes de atirar a pedra ou pensar na vida dos outros. 
E o que acontece é justamente isso, porque Jesus levanta e diz: ”Aquele que não tiver pecado que se já o primeiro a atirar uma pedra”. A começar pelos mais velhos, um por um foi se retirando. Sabem, meus irmãos, não é nosso dever, não cabe a nós atirarmos pedras em ninguém. O nosso dever é apontar o caminho da vida, da misericórdia e o caminho da salvação. 
Podemos até ajudar os outros a refletirem sobre o que têm feito em sua vida, mas, primeiro, pensemos na nossa! 
A pior escuridão é aquela em que nós reconhecemos os erros dos outros pecadores, os pecados dos outros e não temos a capacidade de reconhecer os nossos próprios pecados! 
Jesus é bondoso para com essa mulher, a acolhe no Seu coração; no Seu jeito de profeta, de Messias, Ele provoca uma reflexão no coração dos outros para que ninguém faça mal a ela. 
Por isso Ele mesmo diz: ”Então Jesus se levantou e disse: “Mulher, onde estão eles? Ninguém te condenou?” Ela respondeu: “Ninguém, Senhor”. Então Jesus lhe disse: “Eu, também, não te condeno. Podes ir, e de agora em diante não peques mais” (João 8, 10-11). 
A graça do perdão de Deus, a graça da misericórdia de Deus, perdoa qualquer pecado por mais duro e por maior que ele seja! A mesma graça da misericórdia de Deus nos chama a não nos enveredarmos novamente pelos caminhos do pecado e do erro para que não nos aconteça coisa pior. Não existe coisa pior do que voltar à vida velha, ao pecado velho, ao “angu” velho; não existe coisa pior do que voltar para a vida passada! 
Somos tentados e chamados a fazer isso, mas, o importante a cada dia é lavarmos o nosso coração para que a vida nova de Deus esteja em nós. 
E mesmo que caiamos em pecados ou em erros maiores do que outrora, maior é a misericórdia de Deus! 

Não tenhamos medo de recorrer a essa graça; nós só podemos ter medo de morrer no pecado e permanecer nele! Que Deus nos lave e nos purifique de todas as nossas faltas!

Deus abençoe você!

Nosso Jesus Cristo é o Senhor da nossa vida!

domingo, 6 de abril de 2014


E o grande sinal é este: mostrar que Ele é a vida, Ele traz Lázaro novamente à vida para nos demonstrar que Ele tem poder sobre a vida, que Ele é o Senhor da vida.

”Eu sou a ressurreição e a vida. Quem crê em mim, mesmo que morra, viverá. E todo aquele que vive e crê em mim, não morrerá jamais” (João 11, 25-26).

A maravilha da Palavra de Deus, hoje, é Jesus que vai à casa dos seus amigos: Marta, Maria e Lázaro. Ele vai especialmente para se encontrar com Lázaro, porque já recebera a notícia de que ele havia morrido fazia alguns dias. A tristeza toma conta daquele lugar e daquela casa, e as irmãs deste, Marta e Maria, vão ao encontro de Jesus e dizem: ”Mestre, se o Senhor estivesse aqui o nosso irmão não teria morrido”. E Jesus diz: ”Não, o seu irmão ressuscitará”. E Marta responde: “Sim, Senhor. Eu sei que ele há de ressuscitar na ressurreição do último dia”.

E Jesus, categoricamente, apresenta a verdadeira ressurreição, quando nos diz que: ”todo aquele que n’Ele crê, ainda que esteja morto, viverá”, porque Jesus é a ressurreição e Jesus é a vida. E quem se aproxima do Senhor, quem adere à Pessoa de Jesus, quem se coloca do lado d’Ele, se abre para Ele, não conhecerá jamais a morte.

A morte não domina aquele que é do Senhor! Algumas vezes, nós ficamos tristes, e é mais do que natural A tristeza e a dor da saudade quando alguém muito querido parte para outra vida. Até mesmo Jesus ficou comovido com a morte do amigo, Lázaro, por isso, foi ao encontro dele, para nos dar um sinal. E o grande sinal é este: mostrar que Ele é a vida, Ele traz Lázaro novamente à vida para nos demonstrar que Ele tem poder sobre a vida, que Ele é o Senhor da vida.

Mas a vida que Jesus quer nos dar é a vida plena e a vida eterna; primeiramente para nós que andamos mortos, por causa dos nossos pecados, Ele nos ressuscita e nos tira da escuridão e da zona da morte e nos traz novamente à vida. E depois, aquela morte incômoda, que tira a vida, aquele que crê em Jesus não a experimenta, é apenas uma passagem, pois o Senhor nos transforma de modo que tenhamos, já aqui na Terra, as primícias da eternidade.

A morte é para o justo, para aquele que é de Deus, a porta de entrada para a glória celeste. Hoje é dia de refletirmos sobre o valor da vida, mas não simplesmente o ”viver”; mas sim sobre a vida plena, a vida ressuscitada, a vida que o Senhor veio nos trazer com Sua morte. E todos aqueles que morrem em Cristo, no batismo, morrem para o pecado e têm com Ele o selo da vida.

Que o selo do Cristo Ressuscitado esteja em nós para que a vida nova, que Ele nos trouxe, esteja também conduzindo a nossa vida!

Deus abençoe você!

Precisamos eliminar o nosso orgulho e aceitar a Luz de Deus

sexta-feira, 4 de abril de 2014



A Palavra de Deus molda, forma, restaura e renova aqueles que se abrem para acolhê-la, mas quem se fecha no seu orgulho e na sua obstinação permanece velho, acabado, permanece na escuridão e nas trevas, porque não aceita que a Luz de Deus o renove a cada dia.

”Então, queriam prendê-lo, mas ninguém pôs a mão nele, porque ainda não tinha chegado a sua hora” (João 7,30).

Nós estamos acompanhando, na Palavra de Deus, a tramoia que um grupo de judeus está fazendo para eliminar Jesus, o que eles querem é justamente isto: prender Jesus e impedi-Lo de continuar agindo, pregando e manifestando o Reino de Deus no meio do povo. Uma vez,  prendendo-O, passam a julgá-Lo e condená-Lo para, assim, levá-Lo à morte.

E por que eles querem isso? Porque Jesus é o justo injustiçado; porque Jesus é aquele que veio trazer a verdade e esta não é aceita e não é acolhida. Por isso, de algum modo, aqueles que se sentem incomodados com a verdade e com a pregação do Senhor precisam dar um jeito de eliminá-Lo.

Jesus não acusa ninguém, Ele apenas anuncia a verdade; e esta, uma vez pregada e anunciada, causa incômodo, causa reflexão e o desejo de tomarmos alguma iniciativa para que nós possamos mudar as nossas atitudes.

É verdade que, assim como o grupo de judeus se rebelou, não aceitou e planejou, de fato, eliminar Jesus; nos dias de hoje, muitos ainda se opõem à pregação da verdade, à pregação do Evangelho, se opõem a Jesus. Mais ainda: muitos de nós, por orgulho, por obstinação e por falta de humildade, não somos capazes de aceitar a correção fraterna; não somos capazes de aceitar que outros nos corrijam, que a Palavra de Deus nos corrija e oriente a nossa vida e nos dê a direção de como devemos viver.

Nós, muitas vezes, ficamos chateados, revoltados; nós nos viramos contra pessoas que queriam o nosso bem, porque o nosso orgulho foi muito maior do que a nossa capacidade de reflexão. Pode até ser que os outros usaram de métodos errados para nos corrigir, mas não nos custa nada olhar para dentro de nós e perceber onde os nossos gestos, as nossas atitudes e  o nosso modo de viver não estão de acordo com a verdade, de acordo com a caridade e de acordo com a retidão de vida.

Nós não precisamos eliminar ninguém da nossa vida porque este tenta nos orientar e nos mostrar o caminho da vida; o que nós precisamos é eliminar o nosso orgulho, o nosso jeito obstinado de querer viver e de não aceitarmos ser corrigidos.

A Palavra de Deus molda, forma, restaura e renova aqueles que se abrem para acolhê-la; contudo, quem se fecha no seu orgulho e na sua obstinação permanece velho, acabado e permanece na escuridão e nas trevas, porque não aceita que a Luz de Deus o renove a cada dia.

Deus abençoe você!

Papa Francisco canoniza o Beato José de Anchieta, Apóstolo do Brasil

quinta-feira, 3 de abril de 2014



Cidade do Vaticano (RV) – Anchieta é santo. Na manhã desta quinta-feira, 03 de abril, o Papa Francisco recebeu em audiência, no Vaticano, o Prefeito da Congregação das Causas dos Santos, Card. Angelo Amato.

Depois de ouvir o relatório sobre a vida e a obra do “Apóstolo do Brasil”, o Pontífice assinou o decreto que reconhece a figura e a grandeza do missionário, colocando assim seu testemunho como exemplo para os cristãos de todo o mundo.

O primeiro pedido de canonização foi feito há exatos 417 anos. Já o último ocorreu em outubro passado, por iniciativa da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB). Em dezembro, como revelou o Presidente da CNBB à Rádio Vaticano, o Card. Raymundo Damasceno Assis recebeu um telefonema pessoal do Santo Padre, respondendo positivamente ao pedido.

Trata-se do primeiro santo de 2014 e o segundo jesuíta a ser canonizado pelo Papa Francisco. Antes dele, em dezembro do ano passado foi a vez de Pedro Fabro.

“A santidade do grande homem de Deus foi reconhecida”, declarou logo após a assinatura do decreto o Vice-Postulador da Causa, Pe. Cesar Augusto dos Santos, que também é responsável pelo Programa Brasileiro da Rádio Vaticano.

No entanto, a canonização de José de Anchieta se insere num contexto mais amplo, de reconhecimento da santidade de outros dois evangelizadores da América: a Ir. Maria da Encarnação e o Bispo Francisco de Montmorency-Laval– dois franceses que viveram no Canadá.

Não se trata de um caso, pois os três novos santos foram beatificados juntos pelo Papa João Paulo II, em 22 de junho de 1980. Naquela mesma cerimônia, também foram beatificados Pedro de Betancur e jovem indígena Catarina Tekakwitha – ambos já canonizados. Portanto, faltava o reconhecimento dos outros três – o que aconteceu na manhã desta quinta-feira.

Anchieta e os Papas

A importância de Anchieta e seu papel fundamental para a evangelização do Brasil já eram conhecidos pelos Pontífices. Na sua cerimônia de beatificação, João Paulo II se referiu a Anchieta como “um incansável e genial missionário”:

“Seu zelo ardente o move a realizar inúmeras viagens, cobrindo distâncias imensas no meio de grandes perigos. Mas a oração contínua, a mortificação constante, a caridade fervente, a bondade paternal, a união íntima com Deus, a devoção filial à Virgem Santíssima — que ele celebra em um longo poema de elegantes versos latinos —, dão a este grande filho de Santo Inácio uma força sobre-humana, especialmente quando deve defender contras as injustiças dos colonizadores os seus irmãos indígenas. Para eles compõe um catecismo, adaptado à sua mentalidade e que contribuiu grandemente para a sua cristianização. Por tudo isto ele bem mereceu o título de «apóstolo do Brasil”.

Por sua vez, o Papa Bento XVI, na mensagem para a 28ª Jornada Mundial da Juventude, apresentou o sacerdote jesuíta como um modelo para os jovens: “Penso, por exemplo, no Beato José de Anchieta, jovem jesuíta espanhol do século XVI, que partiu em missão para o Brasil quando tinha menos de vinte anos e se tornou um grande apóstolo do Novo Mundo”.

Anteriormente, em discurso aos Bispos dos Regionais Norte 1 e Noroeste, em visita ad Limina Apostolorum em outubro de 2010, Bento XVI disse: “Ao pensar nos desafios que esta proposta de renovação missionária supõe para vós, Prelados brasileiros, vem-me à mente a figura do Beato José de Anchieta. Com efeito a sua incansável e generosíssima atividade apostólica, não isenta de graves perigos, que fez com que a Palavra de Deus se propagasse tanto entre os índios quanto entre os portugueses – razão pela qual desde o momento de sua morte recebeu o epíteto de Apóstolo do Brasil – pode servir de modelo para ajudar as vossas Igrejas particulares a encontrar os caminhos para empreender a formação dos discípulos missionários no espírito da Conferência de Aparecida”.

Já Francisco escolheu a praia de Copacabana, na missa pela 28ª JMJ no Rio de Janeiro, para falar do sacerdote jesuíta, com estas palavras: “A Igreja precisa de vocês, do entusiasmo, da criatividade e da alegria que lhes caracterizam! Um grande apóstolo do Brasil, o Bem-aventurado José de Anchieta, partiu em missão quando tinha apenas dezenove anos! Sabem qual é o melhor instrumento para evangelizar os jovens? Outro jovem! Este é o caminho a ser percorrido por vocês!”.
Fonte:: Rádio Vaticano


Que muitos creiam em Deus com nosso testemunho de vida!

Que muitos creiam na obra de Deus Pai por intermédio de nosso testemunho de vida! Muitas vezes, nós falamos bastante, mas nossas obras não testemunham aquilo que nós cremos e acreditamos.

”As obras que eu faço dão testemunho de mim, mostrando que o Pai me enviou” (João 5,36).


Mais uma vez, nós olhamos – por intermédio do Evangelho segundo São João 5, 36 – como muitos judeus querem se opor à ação e à obra de Jesus. Afinal de contas o Senhor incomodava. O que Ele fazia, falava, realizava, Seus prodígios e Seus milagres eram causa de muito incômodo.

Mas deixe-me dizer a vocês: Jesus diz que as obras que Ele realiza, Ele não as realiza por Si mesmo, mas por causa do Pai, que O enviou. E mais ainda: as obras d’Ele dão testemunho de que Ele é o enviado do Pai. Primeiro, nós precisamos olhar para Jesus, e quando nós olhamos para Ele, nós vemos a Sua ação e o Seu ministério no meio de nós e podemos entender muito bem a presença do Pai, no meio de nós, por intermédio d’Ele [Jesus].

Um Pai que nos ama, e nos ama em Jesus, cuidando de nossas doenças e de nossas enfermidades. Um Pai que nos cura, um Pai que nos abençoa, um Pai que nos liberta; um Pai que não nos deixa cativos e presos ao poder do maligno! Jesus, ao agir no meio de nós, expulsa todas as obras das trevas e nos liberta do cativeiro do maligno, para que possamos, por intermédio das obras, glorificar a Deus.

Não são apenas as palavras de Jesus Cristo que têm poder e eficácia, porque palavras sem obras são palavras mortas. É o testemunho da vida de Jesus, a coerência d’Ele, o amor d’Ele para com os pobres e para com os pequeninos e pecadores que nos dão a convicção de que Ele é o enviado do Pai.

Eu e você somos também convidados e chamados, pelo batismo, a testemunhar essa graça maravilhosa de que nós também  somos continuadores da obra do Pai na Pessoa do Senhor Jesus. Não adianta falar de Jesus, não adianta falar bonito do Reino de Deus, se as obras não testemunham aquilo que nós cremos e acreditamos!

Deixe-me dizer a você: que nossas obras falem por si e que as palavras se calem; pois, muitas vezes, nós falamos bastante, mas nossas obras não testemunham aquilo que nós cremos e acreditamos! Que outros possam acreditar na obra de Deus Pai por intermédio de nosso testemunho de vida!

Deus abençoe você!

Semana Santa 2014

Semana Santa 2014
Paróquia Menino Jesus de Praga

Campanha

Campanha
#OEcriTeQuerDeVolta

Projeto Sangue de Nossas Veias

Projeto Sangue de Nossas Veias
iniciativa sem fins lucrativos que visa ajudar crianças e adolescentes portadoras de câncer.

Pesquisar neste Blog

Carregando...

Programa de Rádio Tocando o céu

Todas as sextas-feiras das 22:00 às 23:00 na Rádio 104.9 FM, Rádio Comunitária Cruz das Armas, apresentação Álvaro Lianza e Gleibson Cardoso.

Terço dos Homens na Rádio RCA

Terço dos Homens na Rádio RCA
Segunda à sexta, às 17:50 hs

Horário das Missas na Paróquia Menino Jesus de Praga - Bancários

  • Quinta-feira - 19:30hs
  • Sexta-feira -06:00hs
  • Sábado - 19:00hs
  • Domingo - 8:00 e 17:00hs
  • Telefone: (83) 3235.5120

Siga o Armadura por e-mail

EVENTOS

anuncie aqui

A ARMADURA DO CRISTÃO

A ARMADURA DO CRISTÃO
Leia Efésios 6, 10-20

Visitantes

Comunidade Casa da Paz

Comentários

Deixe o seu Comentário ao final das Postagens!

Ocorreu um erro neste gadget

Adoração ao Santíssimo

Adoração ao Santíssimo

Missa das Crianças

Missa das Crianças
Todo o 2º sábado do mês, às 15:30h

Missa do Terço dos Homens

Missa do Terço dos Homens
Toda 3ª Quarta-feira do mês

Salmos Dominicais

Salmos Dominicais
Canção Nova

Salmos on Line

Bíblia Católica On Line

Menino Jesus de Praga

Liturgia Diária

Liturgia Diária
Canção Nova

PARCEIROS


Rotary Club João Pessoa Bancários

blog do João Eduardo

Trânsito WEB

Conselho de Segurança Comunitário dos Bancários

Associação dos Moradores dos Bancários

Blog do Terço dos Homens

Blog do Terço dos Homens
Paróquia Menino Jesus de Praga

Blog Sétima Dissonante

Blog Sétima Dissonante
Hermance Pereira

Nossas Recordações - Grupo de Jesus RCC Jovem

Loading...

Arquivos Obras Timbó